LOAD

CARREIRAS

Deseja fazer parte da equipe Finder? Contate nosso time de RH

FINDER YESLY

Descubra mais sobre YESLY, o sistema Comfort Living que, de forma simples e eficaz, transforma a sua casa num Smart
FINDER APPS

Finder TOOLBOX

O aplicativo dedicado aos instaladores para a criação e programação de dispositivos Finder

Finder YESLY

Transforma sua casa numa Smart Home

Finder BLISS

A sua casa, o seu clima

Finder Toolbox NFC

Programação fácil
Explore Finder
Como funciona um dispositivo de proteção contra surtos?
Top

Como funciona um dispositivo de proteção contra surtos?

Os dispositivos de proteção contra surtos - ou SPD (Surge Protection Devices) - são equipamentos que protegem nossos aparelhos dos surtos de tensão. Eles se distinguem por duas vantagens importantes: são baratos e podem ser acoplados a um equipamento/instalação/sistema já existente. ...

Os dispositivos de proteção contra surtos – ou SPD (Surge Protection Devices) –  são equipamentos que protegem nossos aparelhos dos surtos de tensão. Eles se distinguem por duas vantagens importantes: são baratos e podem ser acoplados a um equipamento/instalação/sistema já existente.

O dispositivo de proteção contra surtos é um equipamento ligado entre L-PE e que tem impedância (Z) elevada a fim de evitar que o funcionamento do equipamento sofra alterações.

Quando ocorre o surto de tensão, a impedância cai ao nível mínimo, o que permite a condução da corrente gerada. A drenagem da energia do surto, entretanto, mantém uma tensão nos polos do dispositivo e, se essa tensão for compatível com o nível de imunidade e de isolamento do próprio equipamento, ele estará protegido.

Atenção: nem todos os SPD são iguais, havendo três macrocategorias que os identificam:

De comutação ou encaixe  –  a função principal cabe ao centelhador, um dispositivo com 2 eletrodos postos a certa distância um do outro. Quando se verifica  um surto de tensão, forma-se um arco entre os 2 eletrodos.

As vantagens deste DPS são a confiabilidade, o isolamento galvânico, as dimensões e as correntes de descarga elevadas;

De limitação  –  a tecnologia a que mais se recorre é a de varistores com cimento cerâmico e partículas de óxido de zinco. Havendo tensão, os varistores são atravessados por uma pequena corrente de fuga, cuja característica principal  é manter constante a tensão nos bornes durante a absorção do surto de tensão.

Os pontos positivos são o tempo muito reduzido de intervenção, a exatidão na repetibilidade das ascensões/subidas, o baixo nível de proteção Up e, por fim, a falta de corrente subsequente;

De tipo combinado  –  é simplesmente a ligação em série ou em paralelo dos dois tipos anteriores.

Os pontos positivos da ligação em série são o isolamento galvânico e a não presença de corrente subsequente.  Na ligação em paralelo, são o tempo muito breve de intervenção, as altas correntes de descarga, o baixo nível de proteção Up e a exatidão de intervenção.

Entendido o que são os dispositivos de proteção contra surtos e sua finalidade, é igualmente importante saber escolher o tipo de DPS a instalar no seu equipamento. Reconhecer bem as informações da etiqueta de cada tipo de DPS ajuda bastante a fazer a melhor escolha. Por informações de etiqueta referimo-nos às características específicas, a saber:

  • Tensão nominal  [Un]  –  indica a tensão nominal do sistema de alimentação;
  • Tensão máxima continua [Uc]  –  indica o valor da tensão abaixo do qual o DPS não atua;
  • Nível de tensão de proteção [Up]  –  representa o valor máximo de tensão que persiste  nos terminais do DPS durante sua atuação;
  • Tensão no vácuo [Uoc]  –  parâmetro específico dos DPS de Classe III, corresponde ao valor de pico da tensão no vácuo do gerador de teste de tipo combinado apto a distribuir/fornecer ao mesmo tempo uma corrente com forma de onda 8/20 microssegundos;
  • Corrente nominal de descarga  [In 8/20]  –  indica o valor máximo que a corrente pode atingir para que o DPS consiga descarregar pelo menos uma vez sem sofrer danos;
  • Corrente de impulso [Iimp 10/350]  –  corresponde ao valor máximo de impulso da forma de onda  10/350 microssegundos com o qual se testa o DPS de Classe I;
  • Fusível de proteção  –  quanto mais alto seu valor, tanto maior a qualidade do varistor empregado, visto que consegue controlar e dissipar a energia de forma autônoma.

Gostaria de ajuda para escolher o DPS mais adequado?  Então informe-nos seus dados para que um técnico da Finder entre em contato com você.

Uma última palavra sobre a técnica de instalação, de fundamental importância para proteger seu equipamento.

A instalação incorreta pode comprometer a utilidade do dispositivo de proteção contra surtos, razão por que é essencial verificar  que o equipamento a proteger esteja ligado à barra equipotencial  –  e não a outra qualquer  –  a que o DPS se conecta.
Outro ponto relevante é o comprimento dos cabos que vêm do DPS e que vão para ele, os quais não devem nunca superar 50cm .
Não é demais insistir, por fim, na obediência às normas vigentes de uso do produto segundo o que determina a legislação (NBR 5410).

BLOG
ANTERIOR
[CASE] ESCOLA DE SÃO PAULO APLICA SOLUÇÕES FINDER PARA GARANTIR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE SUAS INSTALAÇÕES
PRÓXIMO
6 DICAS PARA OBTER EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ATRAVÉS DE CONTROLES SIMPLES
CONTATOS

Está procurando informações ou precisa de suporte para nossos produtos?

DOWNLOAD THE FINDER APPS
Finder Toolbox
Finder Yesly
Finder Bliss
Finder Toolbox NFC
Explore Finder
© Copyright 2020 – FINDER S.p.A. sole proprietorship – All Rights Reserved – VAT number IT05732610018